A trajetória de Rosana Mendes Campos é comum entre as mulheres artistas. Em determinado ponto da carreira, fazem a opção pelos filhos e a família. Escolhem lúcida e corretamente, mas não abandonam a arte, deixando-a em latência. Com o passar do tempo, volta o anseio e o tempo reaparece, e, então, retomam com intensidade os estudos e a produção artística.

Rosana fez esse caminho e planejou sua volta com o rigor que a caracteriza. Optou pelo aprimoramento de suas habilidades, recomeçando pelo treinamento sob supervisão. De início, com o professor Alan Fontes e, mais adiante, com a grande mestra Mariza Trancoso, com quem teve enorme identificação e a ajudou a encontrar seu verdadeiro espaço na Arte.
     No momento, as experiências de vida estão incorporadas, e a artista se mostra amadurecida, ciente da importância de sua decisão, buscando deixar registrada, de modo significativo, sua passagem pela história da arte brasileira.
Podemos nominar Rosana como pintora figurativa e colocá-la, pela linguagem utilizada, no cenário da arte contemporânea. Recorro ao pensamento da própria artista: “Meu trabalho passou a ser muito autobiográfico, eu diria que até confessional. Hoje falo de feminilidade, de sexualidade feminina, da dor, principalmente da dor de se ser mulher, da euforia, êxtase, e fantasias e assim passei a utilizar-me de uma linguagem simbólica...” E continua: “O processo é altamente autodestruidor, porque exige que eu me exponha com as minhas falhas, as minhas loucuras, o meu feio”.
     Por meio de imagens construídas habilidosamente, com tintas acrílicas distribuídas em telas de grandes dimensões, Rosana cria seu mundo onírico, habitado por belos corpos femininos talhados com perfeição, alguns flutuantes, outros ao lado de animais, sugerindo doação, liberdade, sexualidade livre, sem beirar o banal, ou imoral. Sua arte é descritiva, sendo necessário colocar-se diante de suas pinturas para compreender as mensagens expressas um mundo imaginário, mas que retrata sua necessidade de transmitir emoções pessoais, positivas ou não. Dentro desses parâmetros, é possível incluí-la ao lado de Louise Bourgeois e Tracey Emin, especialistas no que se estabeleceu chamar arte confessional, em que a mulher conta a própria história em sua obra. Ressalte-se que não há apropriação, ou citação das duas grandes artistas. Seu trabalho é único, pessoal.
        Em suas telas, Rosana cria uma narração e deixa suas mensagens, permitindo ao espectador reflexões sobre relações humanas, barreiras sociais, moralismo, sexo, amor, ódio, beleza, felicidade, tragédia, vida e morte. Não se permanece indiferente ao seu trabalho.

Marcio de Oliveira Fonseca
Rio de Janeiro, março de 2013.

Categories:

Leave a Reply